Esporte

Professores: nossos mestres para sempre

Professores: nossos mestres para sempre

Outubro 15, 2017, Sem comentários em Professores: nossos mestres para sempre

Todo mundo teve aquele professor considerado o preferido ou o “carrasco”, e mantém contato com ele mesmo após se formar. Chamados de mestres em diversos locais do mundo, os docentes ... Read More»

Aniversariantes

José Victor Castiel

José Victor Castiel

Outubro 15, 2017, Sem comentários em José Victor Castiel

José Victor começou a fazer teatro amador ainda no ensino médio, no Colégio Farroupilha. Formou-se em Direito na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e montou um escritório de advocacia especializado em direito autoral. ... Read More»

Meditação Diária

Um período de prova

15 de outubro de 2017

Tomei o livrinho da mão do anjo e o devorei, e, na minha boca, era doce como mel; quando, porém, o comi, o meu estômago ficou amargo. Apocalipse 10:10
O estado dos israelitas incrédulos ilustra a condição dos indiferentes e incrédulos entre os professos cristãos que, voluntariamente, ignoram a obra de nosso misericordioso Sumo Sacerdote. No cerimonial típico, quando o sumo sacerdote entrava no lugar santíssimo, exigia-se de todos os israelitas que se reunissem em redor do santuário e, do modo mais solene, humilhassem a alma perante Deus, para que recebessem o perdão dos pecados e não fossem extirpados da congregação. Neste dia antitípico da expiação, é ainda mais importante que compreendamos a obra de nosso Sumo Sacerdote e saibamos quais os deveres que de nós se requerem!

As pessoas não podem impunemente rejeitar as advertências que Deus, em Sua misericórdia, lhes envia. No tempo de Noé, uma mensagem do Céu foi endereçada ao mundo, e a salvação do povo dependia da maneira como a recebesse. Rejeitada a advertência, o Espírito de Deus foi retirado dos pecadores, e pereceram nas águas do dilúvio. […]

Cristo, porém, intercede ainda em favor do ser humano, e luz será concedida aos que a buscam. Como isso não era, a princípio, compreendido pelos adventistas, tornou-se mais tarde claro, quando começaram a desvendar as passagens que definem a sua verdadeira posição.

O transcurso do tempo em 1844 foi seguido de um período de grande prova para os que ainda mantinham a fé no advento. Seu único alívio, no que dizia respeito a determinar sua verdadeira posição, era a luz que lhes dirigia o espírito ao santuário celestial. Alguns renunciaram à fé na contagem anterior dos períodos proféticos e atribuíram a forças humanas ou satânicas a poderosa influência do Espírito Santo que acompanhara o movimento adventista. Outra classe sustentava firmemente que o Senhor os guiara na experiência por que passaram; e, como esperassem, vigiassem e orassem, a fim de conhecer a vontade de Deus, viram que seu grande Sumo Sacerdote começara a desempenhar outra parte do ministério, e, seguindo-O pela fé, foram levados a ver também a obra final da igreja. Obtiveram mais clara compreensão das mensagens tanto do primeiro quanto do segundo anjo, e ficaram habilitados a receber e dar ao mundo a solene advertência do terceiro anjo de Apocalipse 14 (O Grande Conflito, p. 430-432).

Mural de Recados