Doria promete zerar fila de exames em até 90 dias

Janeiro 5, 2017 Sem comentários »

Pacientes aguardam realização de 550 mil procedimentos. Corujão da Saúde começa em uma semana

doria-nico2

 

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), prometeu no seu primeiro dia de trabalho zerar a fila de exames no serviço municipal de saúde em 90 dias.

Depois de uma reunião com os 22 secretários e presidentes de empresas e autarquias, que começou às 7h30 e acabou ao meio-dia, Doria apresentou as sete primeiras medidas de sua gestão, entre elas a que se refere ao “Corujão da Saúde”, sua proposta de utilizar horários vagos durante a noite em hospitais particulares para realizar exames pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

Leia mais:

‘Gari de sapatênis’, Doria dá início a projeto

“O Corujão da Saúde começa dia 10 de janeiro e tem prazo de 90 dias para zerar as filas dos exames no serviço público municipal de saúde”, prometeu o novo prefeito da capital.

Em seguida, o secretário municipal de Saúde, Wilson Polara, detalhou a proposta e disse que hoje existe uma fila com cerca de 550 mil exames pendentes na rede. “O problema dessa fila é de gestão”, afirmou Polara, utilizando o bordão de “gestor” que Doria usa desde a campanha. “Muitas dessas pessoas esperaram tanto tempo que acabaram fazendo o procedimento em outro lugar. Então, o que precisamos inicialmente é chamar essas pessoas e verificar o que está acontecendo.”

Segundo Polara, as pessoas que aguardam exames entre 30 dias e seis meses vão ser atendidas pela rede privada. As que estão há mais de seis meses serão chamadas para uma nova consulta nas unidades que solicitaram o exame, para verificar se ainda é necessário o procedimento.

A equipe de Doria já verificou que das 550 mil pessoas que aguardam por exames, 200 mil estão na faixa que será encaminhada para o “Corujão da Saúde” (de 30 dias a seis meses de espera). ”Outras 50 mil aguardam de zero a 30 dias”, disse o secretário.

Conforme Polara, cerca de 25 hospitais já se apresentaram para participar do projeto, entre eles o Sírio e Libanês, um dos mais conceituados da capital, que teria capacidade para realizar 30 mil exames.

“Nossa expectativa é que não vamos nem precisar usar a noite toda”, afirmou o secretário. “No máximo até 0h30 vamos resolver todos. Então não vamos ter aquele paciente das 3h, das 2h, tendo dificuldade de transporte.”

Segundo o professor Álvaro Martins Guedes, especialista em administração pública na área de saúde, da Unesp (Universidade Estadual Paulista), a proposta de Doria é perfeitamente factível. “A princípio pode parecer audaciosa, mas quando se conhece os números se percebe que eles podem estar inflados”, disse o professor. “Na verdade, ele (Doria) está propondo uma reorganização.”

 

Fonte: Diário de São Paulo, SP.

Assunto Relacionado

Comente

*